quarta-feira, 21 de setembro de 2022

  • quarta-feira, setembro 21, 2022
  • Redação


Por Agência Brasil

A revista France Football, que concede anualmente o prêmio Bola de Ouro para o melhor jogador do mundo, anunciou a criação do Prêmio Sócrates, em homenagem ao ex-jogador do Corinthians e da seleção brasileira e que agraciará atletas por suas ações de solidariedade, informou a publicação francesa no perfil da Bola de Ouro no Twitter.

“O grupo L'Equipe [que publica a France Football] está se juntando à Peace and Sport para a criação de um prêmio social como parte da cerimônia da Bola de Ouro: o Prêmio Sócrates”, informou o perfil da premiação. 

“O Prêmio Sócrates identificará as melhores ações de solidariedade promovidas por campeões comprometidos”, afirma a publicação, acompanhada de uma foto de Sócrates com a camisa da seleção brasileira.

Destaque do Brasil nas Copas de 1982, na Espanha, e 1986, no México, Sócrates era conhecido, além do bom futebol, por ser engajado em causas políticas e sociais. Foi, por exemplo, um dos destaques do movimento Diretas Já, que apoiava a aprovação de uma emenda constitucional pela eleição direta para presidente em 1984, e líder da Democracia Corintiana, que reivindicava aos atletas maior voz nas decisões do clube. 

Segundo o site da Peace and Sport, entidade internacional que afirma buscar usar o esporte como ferramenta de construção da paz, o júri da premiação será composto pelo ex-jogador Raí e por Sóstenes, irmãos de Sócrates, além de Joël Bouzou e Jean-Jérôme Perrin-Mortier (respectivamente presidente e diretor-geral da Peace and Sport) e por Jérôme Cazadieu e Pascal Ferré (representantes do grupo L'Equipe), além de um sétimo membro que será definido ano a ano.

“A exposição midiática dos atletas, particularmente dos jogadores de futebol, significa que eles devem dar o exemplo e assumir uma responsabilidade social. A criação do Prêmio Sócrates responde a esta mudança de paradigma e ao crescente desejo de atletas de investirem em projetos que visam o bem comum”, disse Bouzou em comunicado.

Raí, ídolo do São Paulo e que, assim como Sócrates, também foi capitão da seleção brasileira, disse que o irmão segue sendo um símbolo da luta por um mundo mais justo.

“Sócrates sempre acreditou no poder do esporte para mobilizar e transformar a sociedade e torná-la mais igualitária. Ele mostrou isso como jogador em sua luta para democratizar o Brasil durante a revolucionária experiência da Democracia Corintiana. Depois que encerrou sua carreira, ele continuou muito ativo no apoio aos jovens no Brasil por meio de várias entidades sociais. Quase 11 anos após sua morte, ele segue sendo um símbolo de um campeão comprometido com um mundo mais justo”, disse Raí no comunicado em inglês. Sócrates morreu em 2011, aos 57 anos, em decorrência de uma infecção generalizada.